13 de Dezembro de 2017 | 17:47
redacao@diariodoms.com
-->
Política
Noticia de: 23 de Novembro de 2017 - 13:12
Fonte A - A+

Reinaldo diz que reforma é necessária e terá de enfrentar desgaste com servidores

Reinaldo diz que reforma é necessária e terá de enfrentar desgaste com servidores



O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) afirmou, durante agenda púbica na manhã desta quinta-feira (23), que a reforma da previdência dos servidores é necessária para que o Estado não fique em dívida com os cerca de 27 mil inativos.

“Esta questão não pode ser politizada. É uma questão essencialmente técnica”, afirmou o governador, que disse ainda ter tranquilidade para ‘fazer o que é necessário’, sem se preocupar ‘com o desgaste’ político que a medida possa acarretar.

Azambuja destacou que já existe um déficit mensal na previdência estadual, e que se medidas não fosse adotadas pelo governo, Mato Grosso do Sul correria o risco de igualar ao Estado do Rio de Janeiro, que tem atrasado o pagamento de salário do funcionalismo público.

O Chefe do Executivo Estadual destacou que é preciso ‘dizer a verdade’ sobre o assunto, e frisou que este é o momento certo para a Assembleia aprovar o projeto de reforma, encaminhado por ele ao legislativo.

Outro ponto citado pelo governador foi o fato que os Estados terão que se adequar à regra nacional, em discussão no Congresso Nacional.

A Assembleia aprovou ontem, quarta-feira (22), em primeira votação, o projeto que aumenta contribuição do servidor com previdência, de forma escalonada, até 2020, quando percentual chegará a 14% do salário do bruto. A participação do Estado também sobe de 22% para 28%.

Protestos

O governador destacou que todos têm direito de protestar, mas garantiu que o projeto encaminhado à Assembleia não retira direitos, e ainda evita que Mato Grosso do Sul fique inadimplente com o servidor.

Sobre o protesto na Assembleia, que acabou por suspender a sessão que poderia aprovar, em definitivo, a mudança na previdência, Reinaldo disse que os representantes dos mais de 70 mil servidores do Estado não quiseram dialogar com o governo.

“O problema que está ali é política. Já discutimos com eles, não querem o entendimento. Querem o conflito, a politicagem. Então, ali existe questão de política e não vou deixar de tomar uma atitude que é para garantir o cumprimento das obrigações do Estado por essasquestão, porque se tivesse igual o servidor do Rio (de Janeiro) na fila para receber salário ou cesta básica, talvez não estivessem na Assembleia politizando isso”, finalizou.


MIDIAMAX 

social aqui