24 de Novembro de 2017 | 11:53
redacao@diariodoms.com
-->

Warning: getimagesize(/home/diaridoms/public_html/fotos/noticias/3437_0.jpg) [function.getimagesize]: failed to open stream: No such file or directory in /home/diariodoms/public_html/inc.exibe.php on line 49
Política
Noticia de: 29 de Fevereiro de 2016 - 11:49
Fonte A - A+

Delcídio admite “comportamento agressivo” e fala em defesa no Senado

enador permaneceu preso por 87 dias em Brasília e está suspenso pelo PT

Preso pela Operação Lava Jato, o ex-líder do governo, Delcídio do Amaral admitiu ser alvo de comportamento agressivo de terceiros. Isso depois de deixar a carceragem, por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), há 11 dias em Brasília (DF).

“Quando sai peguei alguns dias para descansar um pouco, porque perdi muito peso. Não vou dizer que você não sofre algum tipo de crítica ou comportamento de terceiros mais agressivo. Isso aí é do jogo. Agora é hora de me defender e tirar todas essas dúvidas com relação aos motivos que me levaram a prisão”, pontuou o senador ao Programa Tribuna Livre.

Delcídio foi preso em novembro de 2015 ao tentar atrapalhar investigações da operação Lava Jato. Na ocasião ele teria ofertado dinheiro e plano de fuga para Nestor Cerveró, ex-diretor da Petrobras, para que não fosse citado em delação premiada. A negociação foi gravada pelo filho de Cerveró, Bernardo.

Suspenso pelo PT, o senador permaneceu preso por 87 dias em Brasília. Mesmo afastado, recebeu salário e benefícios do cargo que ocupa. A prisão foi suspensa, em 19 de fevereiro, por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). Seu retorno ao Senado, no entanto, foi postergado por licença médica de 15 dias e só deve ocorrer em 8 de março.

QUEBRA DE DECORO

Em seu retorno, o ex-líder do governo ainda terá que enfrentar julgamento por quebra de decoro parlamentar no Conselho de Ética do Senado. O processo está travado depois do senador Ataídes Oliveira (PSDB-TO) deixar a relatoria do caso, a pedido da defesa de Delcídio, porque seu partido foi um dos que solicitou a punição junto com o Rede e PPS.

Um novo relator deve ser definido na quarta-feira (2). O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), defende que o processo contra o petista seja analisado sem pressa e que não ocorra antes de um posicionamento do Supremo Tribunal Federal sobre o caso.

social aqui