22 de Novembro de 2017 | 04:24
redacao@diariodoms.com
-->
Policial
Noticia de: 16 de Fevereiro de 2016 - 09:50
Fonte A - A+

Criação com mais de 140 galinhas e lixo em quintal viram caso de polícia na Capital

A Decat (Delegacia Especializada de Repressão a Crimes Ambientais e Proteção ao Turista) apreendeu na manhã desta segunda-feira (15) aproximadamente 140 galinhas e retiraram duas caçambas cheias de entulho da residência de duas mulheres na Vila Jacy. Ramona Marlim Reinoso, de 54 anos, e Maria Marlim Reinoso, de 58 anos, podem responder por crime de poluição ambiental. 

De acordo com o delegado titular da Decat, Wilson Vilas Boas, a apreensão é resultado de um inquérito aberto em setembro do ano passado para investigar a suspeita de crime ambiental. Na época também foi feito o pedido de busca e apreensão no local que foi cumprido hoje.

A ação da polícia, que teve início por volta das 9 horas e só terminou no começo da tarde, contou com o apoio de uma equipe da Seintrha (Secretaria Municipal de Infraestrutura, Transporte e Habitação) e do CCZ (Centro de Controle de Zoonose). Além das galinhas foram apreendidos outros animais como cachorro, gato, periquitos, coelho e foram realizadas podas de árvores.

O delegado explica que a residência não possui muros e por isso os animais ficavam soltos e acabavam saindo do limite do terreno e indo para a rua e para residências vizinhas e isso é proibido por lei. “Criar galinha em local aberto é proibido. Ela estava contra a lei”, ressalta.

Ainda segundo o delegado Ramona e Maria moram no local há mais de 20 anos e várias denúncias, inclusive de maus-tratos a animais, já foram feitas ao longo desse tempo. Durante a limpeza do terreno também foram encontrados focos do mosquito Aedes aegypti que foram levadas para análise.

Pelo acúmulo de lixo e a criação irregular dos animais as irmãs podem ser condenadas por poluição ambiental, mas uma fato também chamou a atenção dos policiais nesta manhã: a situação insalubre na qual as mulheres vivem. Por esse motivo o caso também será encaminhado para o MPE (Ministério Público Estadual).

 

Outro lado

Ramona conta que ela e a irmã moram na casa que era da mãe Dinorah Rodrigues Marlin. Os animais, segundo ela, são um tipo de herança deixada pela mãe, que morreu há dois anos.

Sobre o que aconteceu esta manhã, Ramona explica que foi pega de surpresa, já que segundo ela não houve aviso prévio. “Eles não me disseram nada antes, simplesmente entraram no meu quintal e levaram meus animais. Se eles tivessem me avisado eu tinha dado um jeito”, diz. Para justificar os focos de mosquito no local, Ramona alega que a água acumulada é oriunda do esgoto de uma residência vizinha.

Ela conta que no momento em que os policiais chegaram a irmã mais velha se desesperou ao ver os animais deixados pela mãe sendo levados e precisou de atendimento médico. O Corpo de Bombeiros foi acionado e Maria foi encaminhada para o CRS (Centro Regional de Saúde) do Coophavila 2.

Ela conta ainda que as galinhas que foram levadas eram usadas para o consumo e diz que vai procurar reaver os animais. “Foi um absurdo. As galinhas são para nosso sustento, nosso meio de sobrevivência. Eles nem disseram para onde levaram os animais”, destaca. 


Midiamax

social aqui