12 de Agosto de 2022 | 05:46
noticiasdiariodoms@gmail.com
-->
Política
Noticia de: 06 de Agosto de 2022 - 14:15
Fonte A - A+

Candidatos ao Senado por MS: veja a lista

Os partidos têm até 15 de agosto para registrar os nomes junto à Justiça Eleitoral.

As convenções partidárias definiram os nomes para as eleições de outubro. No Senado, uma vaga está em disputa em Mato Grosso do Sul. Os partidos têm até 15 de agosto para registrar os nomes junto à Justiça Eleitoral.

O 1º turno das eleições onde serão escolhidos o presidente, governadores, senadores, deputados estaduais e federais, está marcado para 2 de outubro. O eventual 2º turno acontece em 30 de outubro. Conheça abaixo os candidatos de Mato Grosso do Sul para o Senado Federal (em ordem alfabética).

Confira a lista, em ordem alfabética, dos candidatos ao Senado por Mato Grosso do Sul:

Jeferson Bezerra candidato ao Senado pelo Agir — Foto: Divulgação

Jeferson Bezerra candidato ao Senado pelo Agir — Foto: Divulgação

O Agir aprovou no dia 2 de agosto, em convenção partidária a oficialização da candidatura de Jeferson Bezerra ao Senado pelo partido.

Jeferson Bezerra diz que, se eleito, vai defender com uma das suas principais bandeiras a habitação e que pretende ser um senador do povo. “Sou candidato pela fé, sou candidato da coragem. Chega dos mesmos políticos”, comentou.

Jeferson Bezerra nasceu em Dourados e tem 49 anos. É formado em teologia e jornalismo. Ele foi candidato a vereador em 2016, e, em 2020, disputou a eleição para prefeitura de Dourados.

Juiz Odilon foi confirmado como candidato ao Senado pelo PSD — Foto: TV Morena/Reprodução

Juiz Odilon foi confirmado como candidato ao Senado pelo PSD — Foto: TV Morena/Reprodução

O PSD aprovou no dia 30 de julho, em convenção partidária a oficialização da candidatura do Juiz Odilon ao Senado pelo partido.

O Juiz Odilon ressalta que se eleito tem uma série de pautas que vai defender no Senado, como a segurança pública, a saúde, a educação, a habitação e o emprego. O fortalecimento da estrutura familiar, o primeiro emprego para o jovem, o estímulo aos pequenos e médios produtores agropecuários, o cuidado com idosos, pessoas com deficiência e a proteção da juventude contra as drogas.

Odilon de Oliveira nasceu em Exu, Pernambuco, e tem 73 anos. Concluiu o ensino fundamental com 16 anos, formou-se em Direito em 1978. Foi procurador autárquico federal de 1979 a 1981, promotor de justiça de 1981 a 1982, juiz de direito de 1982 a 1986, e juiz federal de 1987 a 2017. Aposentado do judiciário federal, foi candidato ao governo de Mato Grosso do Sul em 2018, sendo derrotado no segundo turno pelo atual governador, Reinaldo Azambuja (PSDB).

Mandetta é candidato ao senado por Mato Grosso do Sul pelo União Brasil.  — Foto: José Câmara

Mandetta é candidato ao senado por Mato Grosso do Sul pelo União Brasil. — Foto: José Câmara

O União Brasil em Mato Grosso do Sul aprovou, no dia 22 de julho, em convenção partidária a oficialização da candidatura de Luiz Henrique Mandetta como candidato ao senado pelo partido.

Para Mandetta, as principais bandeiras serão a educação em tempo integral e a vida. "Eu luto, lutei a minha vida inteira, pela vida. A vida é o meio maior conceito. Vida no sentido amplo, no sentido de comprar alimento, conseguir se alimentar. Vida onde sei que meu filho tenha uma escola minimamente descente. Eu tenho uma luta histórica pela educação. Vida que precisa de lazer, esporte e cultura", detalhou o candidato.

Ele é natural de Campo Grande e tem 57 anos. É médico ortopedista. Foi dirigente de plano de saúde e secretário municipal de Saúde de Campo Grande. Foi deputado federal e em 2019 foi nomeado ministro da Saúde pelo presidente Jair Bolsonaro. Ganhou maior visibilidade em meio a crise provocada pela pandemia de Covid-19, mas foi demitido do cargo em abril de 2020.

Tereza Cristina é candidata ao Senado pelo PP — Foto: Anderson Viegas/g1 MS

Tereza Cristina é candidata ao Senado pelo PP — Foto: Anderson Viegas/g1 MS

O Partido Progressista (PP) aprovou no dia 5 de agosto, em convenção partidária a oficialização da candidatura de Tereza Cristina ao Senado pelo partido.

Tereza Cristina destaca que se eleita tem uma série de pautas que vai defender no Senado, como estímulo ao agro, a saúde, a segurança pública, a educação e pautas sociais. "O agro é uma bandeira que tenho no meu DNA e sempre defendi, mas no Senado Federal vou defender bandeiras como a saúde, a segurança pública, a educação e todo o social. Vivemos momentos muito difíceis e a economia é importante para movimentar todos os segmentos. Eu como senadora vou defender as bandeiras do bem-estar da população". No evento, o partido também anunciou as candidaturas aos cargos proporcionais. A legenda terá 9 candidatos a deputado federal e 18 a deputado estadual. Definiu ainda apoio a candidatura de Eduardo Riedel (PSDB) ao governo do estado.

Tereza Cristina tem 68 anos. Ela nasceu em Campo Grande. É engenheira agrônoma e produtora rural. Já foi diretora da Federação de Agricultura e Pecuária do estado (Famasul), secretária estadual de Produção na gestão de André Puccinelli no governo do estado e está no segundo mandato como deputada federal. Se licenciou do cargo entre 2019 e maio de 2022, para ocupar o cargo de ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, no governo de Jair Bolsonaro (PL).

PT lançou Tiago Botelho como candidato ao Senado por MS — Foto: Anderson Viegas/g1 MS

PT lançou Tiago Botelho como candidato ao Senado por MS — Foto: Anderson Viegas/g1 MS

O PT aprovou no dia 30 de julho, em convenção partidária a oficialização da candidatura de Tiago Botelho como candidato ao Senado pelo partido.

Tiago destacou que as principais bandeiras que vai defender no Senado Federal são: educação, meio ambiente, o Sistema Único de Saúde (SUS), que chamou de plano de saúde da população carente, a juventude e a cultura sul-mato-grossense.

É bacharel em Direito pela UEMS, licenciado em História pela UFGD, especialista em Direitos Humanos e Fronteiras, mestre em Direito Agroambiental pela UFMT e doutor em Direito Socioambiental pela PUC-PR. Atualmente cursa o Doutorado em Democracia no século XXI na Universidade de Coimbra e o pós-doutorado em Democracia na UFPI.

G1MS

social aqui