12 de Agosto de 2022 | 05:49
noticiasdiariodoms@gmail.com
-->

Warning: getimagesize(/home/diariocostarica/public_html/fotos/noticias/14247_0.jpg) [function.getimagesize]: failed to open stream: Permission denied in /home/diariodoms/public_html/inc.exibe.php on line 49
Mundo
Noticia de: 01 de Agosto de 2022 - 20:29
Fonte A - A+

EUA dizem que mataram Ayman al-Zawahiri, o chefe da Al-Qaeda, no Afeganistão

A Agência Central de Inteligência (CIA) foi a responsável pelo ataque. O presidente Joe Biden vai gravar um anúncio oficial na Casa Branca. O egípcio Zawahiri passou a liderar a Al-Qaeda após a morte de Bin Laden, em 2011.

Os Estados Unidos fizeram uma operação militar em Cabul, no Afeganistão, no domingo (31), e mataram o líder Ayman al-Zawahiri, um dos fundadores da Al-Qaeda, de acordo com dirigentes do governo americano que pediram para não serem identificados. Não há vítimas civis.

A informação foi publicada por jornais como o "New York Times" e o "Washington Post" e pelas agências de notícias Reuters e Associated Press.
O egípcio al-Zawahiri sucedeu Osama bin Laden em 2011, após a morte do antigo líder por soldados dos EUA no Paquistão.
A Agência Central de Inteligência (CIA, na sigla em inglês) foi a responsável pelo ataque.

Al-Zawahiri era um médico e cirurgião de formação e é apontado como um dos responsáveis pela formação ideológica, as táticas e habilidades organizacionais da Al-Qaeda. Ele é tido como o líder e idealizador dos primeiros atentados suicidas e células independentes, que se tornaram uma marca da rede.

O egípcio ajudou a coordenar os ataques de 11 de Setembro de 2001, nos EUA, em que quatro aeronaves civis foram sequestradas.

Al-Zawahiri é suspeito de ter planejado o ataque que deixou 17 marinheiros mortos a um navio norte-americano que estava atracado no Iêmen, o USS Cole, em 2000. Dois anos antes, em 1998, o egípcio foi acusado nos EUA por ter participado de ataques com bombas nas embaixadas do país no Quênia e na Tanzânia, que deixaram 224 mortos.
EUA no Afeganistão
Há quase um ano as forças dos EUA deixaram o Afeganistão. Isso permitiu que os talibãs retomassem o controle do país, após 20 anos afastados do poder.


Em um comunicado, o porta-voz do Talibã, Zabihullah Mujahid, confirmou que houve um ataque no domingo e fez críticas à operação, que classificou como uma violação aos "princípios internacionais".

Segundo o "New York Times", esse foi o primeiro ataque americano em solo afegão desde a saída definitiva dos militares dos EUA do país, em 31 de agosto de 2021.

Se a morte for confirmada, o Talibã passa a ser suspeito de dar abrigo a al-Zawahiri.

Em julho, os EUA anunciaram a morte do líder do grupo Estado Islâmico na Síria, Maher al-Agal, em um ataque com drones. A operação "enfraqueceu consideravelmente a capacidade" da organização "para preparar, financiar e realizar operações na região", afirmou na ocasião um porta-voz militar americano.

Pronunciamento de Biden
O presidente Joe Biden vai fazer um pronunciamento nesta segunda-feira (1º).

Biden planejava falar da varanda da Sala Azul da Casa Branca enquanto permanece isolado na residência enquanto continua testando positivo para Covid-19.
Por G1

social aqui