19 de Agosto de 2022 | 23:40
noticiasdiariodoms@gmail.com
-->

Warning: getimagesize(/home/diariocostarica/public_html/fotos/noticias/14065_0.jpg) [function.getimagesize]: failed to open stream: Permission denied in /home/diariodoms/public_html/inc.exibe.php on line 49
Economia
Noticia de: 02 de Junho de 2022 - 17:23
Fonte A - A+

PIB do Brasil cresce 1% no 1º trimestre de 2022

Segundo IBGE, soma de todos os bens e serviços produzidos no país totalizou R$ 2,2 trilhões

A economia brasileira cresceu 1% no primeiro trimestre de 2022. Segundo levantamento divulgado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta quinta-feira (2), o PIB (Produto Interno Bruto), que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, totalizou R$ 2,2 trilhões no período.


Esse crescimento é em comparação ao quarto trimestre de 2021. Frente ao primeiro trimestre de 2021, o PIB apresentou crescimento de 1,7%. No acumulado nos quatro trimestres, terminados em março de 2022, o PIB cresceu 4,7%, comparado aos quatro trimestres imediatamente anteriores.

Setores

Conforme o IBGE, com crescimento de 1%, o setor de serviços impulsionou o PIB brasileiro. No primeiro trimestre, a indústria teve variação de 0,1% e a agropecuária recuou 0,9%.

Dentro do setor de serviços, houve crescimento em outros serviços (2,2%), transporte, armazenagem e correio (2,1%), comércio (1,6%), atividades imobiliárias (0,7%) e administração, saúde e educação pública (0,6%). Ocorreram quedas na informação e comunicação (-5,3%) e na intermediação financeira e seguros (-0,7%).

Na indústria, houve avanço nas atividades de eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos (6,6%), indústrias de transformação (1,4%) e construção (0,8%). O único desempenho negativo ocorreu nas indústrias extrativas (-3,4%).

Sob a ótica da demanda, a alta do PIB no período foi puxada pelo consumo das famílias, que subiu 0,7%. O consumo do governo variou 0,7%, enquanto que a formação bruta de capital fixo, isto é, os investimentos, caiu 3,5%.

No setor externo, as exportações de bens e serviços cresceram 5%, enquanto as importações caíram 4,6%.

social aqui