24 de Janeiro de 2022 | 20:05
noticiasdiariodoms@gmail.com
-->

Warning: getimagesize(/home/diaridoms/public_html/fotos/noticias/13597_0.jpg) [function.getimagesize]: failed to open stream: No such file or directory in /home/diariodoms/public_html/inc.exibe.php on line 49
Covid-19
Noticia de: 12 de Janeiro de 2022 - 14:07
Fonte A - A+

Com baixa procura, Secretaria de Estado de Saúde solicita que população tome dose de reforço da vacina da Janssen

A Secretaria de Estado de Saúde solicitou esforço dos secretários municipais de Saúde de Mato Grosso do Sul para ampliar a aplicação das doses de reforço da vacina da Janssen.

O Secretário de Estado de Saúde, Geraldo Resende, destacou a necessidade de que a população procure os locais de vacinação para tomar a dose de reforço. “Depois de toda luta que tivemos para conseguir as doses da vacina da Janssen no Estado, é um absurdo que as pessoas não estejam tomando a segunda dose da Janssen. O Ministério cumpriu com a sua parte e enviou as doses necessárias”, disse.

Mato Grosso do Sul aplicou 243 mil D1 da vacina da Janssen, e até o momento 44,09% das pessoas tomaram a dose de reforço. Ainda 135 mil pessoas não procuraram as unidades de saúde para aplicação da dose de reforço da Janssen.

Campo Grande aplicou 53.589 D1 da Janssen e até o momento aplicou 19.255 doses de reforço, cobertura de 35,93%, Corumbá aplicou 26.397 D1 e aplicou o reforço em 8.798, cobertura de 33,33%, Três Lagoas aplicou 8.350 D1 e aplicou o reforço em 3.535, cobertura de 42,34% e Dourados aplicou D1 da Janssen em 13.578 pessoas e aplicou o reforço em 9.007, ficando com cobertura de 66,34%.

Os municípios com menor percentual de aplicação da dose de reforço da vacina da Janssen são Aral Moreira, com 23,51%, Iguatemi, com 23,58%, Rio verde, com 23,87%, Paranhos, com 26,03% e Corguinho com 27,37%.

O secretário destacou a importância para que os municípios criem estratégias para aumentar a cobertura vacinal da dose de reforço da Janssen. “É necessário que continuemos a aplicação das doses de reforço na população. Já é de conhecimento que a vacina tem um decréscimo na proteção após seis meses”, disse.

Airton Raes, SES

Foto: Edemir Rodrigues/Arquivo

social aqui