01 de Dezembro de 2021 | 15:45
noticiasdiariodoms@gmail.com
-->

Warning: getimagesize(/home/diaridoms/public_html/fotos/noticias/13387_0.jpg) [function.getimagesize]: failed to open stream: No such file or directory in /home/diariodoms/public_html/inc.exibe.php on line 49
Policial
Noticia de: 20 de Outubro de 2021 - 12:40
Fonte A - A+

Pilotos de quadrilha que adulterava aviões para o tráfico são presos em ação da PF em MS e mais 7 estados

Alvos seriam dois pilotos presos em Campo Grande. Um deles inclusive já foi preso anteriormente após investigação do Dracco, na fase Narcos. Pela PF, mesmo suspeito foi preso durante a Operação Teto Baixo.

A Polícia Federal (PF) cumpre mandados em Mato Grosso do Sul da Operação Vikare, deflagrada nesta quarta-feira (20) contra grupo criminoso que atua no tráfico internacional de drogas, usando aviões e empresas para mascarar o transporte de entorpecentes entre vários estados e países da América do Sul.

Os alvos, conforme a polícia, seriam dois pilotos presos em Campo Grande. Um deles inclusive já foi detido anteriormente após investigação do Departamento de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado (Dracco), na fase Narcos, em julho deste ano.

Pela PF, o mesmo suspeito também foi preso durante a Operação Teto Baixo, em outubro de 2019.

Operação Vikare
Batizada de Vikare, a ação partiu de investigação no Amapá iniciada em maio de 2020. Além do estado, os 73 mandados – 24 de prisão e 49 de busca e apreensão – são cumpridos em cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Pará, Mato Grosso do Sul, Amazonas, Ceará e Piauí.

A investigação identificou que o Amapá era um ponto logístico da organização criminosa, que tinha um aeródromo na capital Macapá como local de abastecimento e manutenção das aeronaves – a maioria de pequeno porte.

O estado recebia os aviões vindos principalmente da Colômbia e Venezuela, que depois seguiam com as drogas para várias regiões do Brasil.


A PF ainda não detalhou o número de presos e nem total de dinheiro e itens apreendidos, porém, informou que foi pedido o sequestro de bens de 68 investigados, entre aeronaves, embarcações e o bloqueio de R$ 5,8 milhões em bens.
G1MS

social aqui