17 de Maio de 2022 | 03:57
noticiasdiariodoms@gmail.com
-->

Warning: getimagesize(/home/diariocostarica/public_html/fotos/noticias/13384_0.jpg) [function.getimagesize]: failed to open stream: Permission denied in /home/diariodoms/public_html/inc.exibe.php on line 49
Policial
Noticia de: 19 de Outubro de 2021 - 19:07
Fonte A - A+

Roubos diminuem, mas denúncias de estelionato disparam, com média de 900 casos por mês em MS

Só na Capital, foram 4049 boletins de ocorrência registrados neste ano. Veja quais são os principais golpes e dicas de como se proteger.

Enquanto os casos de roubos diminuíram cerca de 10% em Mato Grosso do Sul, a quantidade de crimes de estelionato vem aumentando gradativamente. Por mês, em média, são registrados 900 casos no estado. A maioria dos golpes é aplicada pela internet.

De acordo com dados da Secretaria de Justiça e Segurança Pública, neste ano, foram registrados 3.699 casos de roubo no estado, sendo 2.360 só na Capital. Houve queda na comparação com o ano passado, quando o número chegou a 4.118 casos, 2.637 em Campo Grande.

Em contrapartida, os dados de estelionato demonstram um aumento. Foram 7206 registros em 2020, contra 9075 casos em 2021, metade deles registrados na Capital.

Para o delegado da Polícia Civil, Juliano Penteado, a explicação para este aumento está na facilidade que os bandidos encontraram para cometer este tipo de crime durante a pandemia.

"Com a pandemia de Covid e a necessidade de isolamento social, foi notado esse aumento dos crimes pela internet e consequentemente os estelionatos. Tem se notado que não se voltou atrás dessa tendencia de alta, os golpistas descobriram um novo vilão e estão descobrindo novas formas para essa prática de crimes", explica.

Os criminosos vêm se aperfeiçoando. Entre os principais golpes, segundo a polícia, estão:


Via SMS - em que os criminosos enviam mensagens pedindo atualizações de dados de clientes de bancos, com links que levam a páginas falsas.
Falso perfil - criminosos que usam contas de falsos perfis nas redes sociais, se passando por lojas ou conhecidos, vendendo produtos que não são entregues ou pedindo empréstimos.
Falso emprego - golpistas criam páginas falsas com anúncios de emprego, pedindo para que a vítima se cadastre e pague um valor para ter acesso às oportunidades. Assim, eles conseguem acesso aos dados pessoais (como nome completo, endereço, telefone) e também captam recursos com a promessa de que a vítima irá conseguir uma recolocação no mercado de trabalho.
Clonagem de WhatsApp - Clonar o WhatsApp virou moda. Os bandidos tentam se passar por uma pessoa conhecida, pedindo que a vítima faça uma transferência bancária de urgência porque o limite diário dela acabou. Sem desconfiar que se trata de um golpista, a vítima acaba transferindo o valor, acreditando que será reembolsada.
Pirâmide - mais comum é aquele em que o fraudador promete retorno garantido ao investir em determinada ação ou criptomoeda.
Falso frete – criminosos contratam o serviço, mas no ponto de encontro combinando, acabam roubando o veículo ou o proprietário.
Sites de venda – golpista se passa por interessado em produto anunciado, mas acaba ludibriando a vítima de diferentes formas.
O delegado explica que há como se proteger, confira algumas dicas:

1) Sempre desconfie de pedidos de dinheiro no whatsapp. Na dúvida, faça uma chamada de vídeo para confirmar quem está do outro lado da linha. Aumente sua desconfiança quando a pessoa se negar a efetuar a chamada de vídeo, alegando que a internet está ruim, ou que não tem tempo para isso. Não há nenhuma urgência que não possa esperar essa simples confirmação.
2) Em lojas na internet, sempre verifique todos os dados da loja, pesquise reclamações e desconfie de grandes descontos. Grande parte dos golpes são impulsionados pela sensação de vantagem. Prefira comprar em lojas brasileiras, em sites terminados com ".com.br". Desconfie de sites terminados em .com/br, esta tem sido uma técnica muito utilizada para enganar as vítimas fazendo-as pensar que estão em um site brasileiro, quando, na verdade, a página está hospedada no exterior.
3) Desconfie de boletos recebidos por email ou por whatsapp oferecendo desconto no pagamento de contas de telefone, internet, água e luz. Verifique todos os campos do boleto antes de pagá-lo e, principalmente, verifique os dados do beneficiário do pagamento antes de confirmar a transação. Confira se o beneficiário do pagamento é realmente a companhia de energia elétrica ou a operadora de telefonia, por exemplo, pois tem sido muito comum a falsificação de boletos.
4) Para evitar o golpe do falso intermediador em que o golpista clona um anúncio na internet e passa a intermediar uma compra-e-venda, é importante que todas as negociações sejam realizadas diretamente com o proprietário do bem. Mais uma vez fica o alerta: não se deixe levar pela ambição, desconfie de qualquer vantagem.
5) Falsos anúncios em plataformas: desconfie de promessas de desconto caso o pagamento seja realizado fora da plataforma. O golpista irá pedir para a vítima realizar o pagamento por outro tipo de plataforma, alegando que são empresas do mesmo grupo. Não caia neste golpe.
6) Crie o hábito de filmar a abertura do pacote recebido, isso te permitirá comprovar que recebeu uma pedra ao invés do produto comprado. Filme o pacote, para mostrar que não foi aberto, filme a etiqueta do remetente e do destinatário, só depois disso prossiga o vídeo abrindo a embalagem.
7) Em razão do grande vazamento de dados pessoais na internet, adote uma postura proativa. Crie o hábito de verificar periodicamente (uma vez por mês, por exemplo) se existem linha telefônicas indevidamente cadastradas em seu nome, ou se foram contraídos empréstimos ou abertas contas correntes em seu nome sem o seu conhecimento.Para isso, é possível consultar todas as linhas pré-pagas cadastradas em seu nome através de site, clique aqui. Por outro lado, as contas correntes, empréstimos, financiamentos e até mesmo as chaves pix vinculadas ao seu CPF podem ser verificadas por meio do serviço REGISTRATO, disponibilizado pelo banco central.
G1MS

social aqui