15 de Outubro de 2021 | 18:15
noticiasdiariodoms@gmail.com
-->

Warning: getimagesize(/home/diaridoms/public_html/fotos/noticias/13243_0.jpg) [function.getimagesize]: failed to open stream: No such file or directory in /home/diariodoms/public_html/inc.exibe.php on line 49
Policial
Noticia de: 08 de Setembro de 2021 - 16:46
Fonte A - A+

Justiça determina reconstituição de assassinato que levou a prisão de pedreiro serial killer em MS

Comerciante José Leonel Ferreira dos Santos, de 61 anos foi morto em maio do ano passado e o crime levou a identificação e depois a prisão do pedreiro Cleber de Souza Carvalho.

O juiz da 2ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande, Aluízio Pereira dos Santos, determinou que seja feita a reprodução simulada do assassinato do comerciante José Leonel Ferreira dos Santos, de 61 anos. Ele foi morto em maio do ano passado e o crime levou a identificação e depois a prisão do pedreiro Cleber de Souza Carvalho. Ele confessou sete mortes na capital, entre 2015 e 2020.
O acusado admitiu as mortes em série em depoimento gravado na Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Homicídio (DEH), no dia 2 de junho do ano passado. Antes, havia relatado a policiais militares e ajudado, inclusive, na escavação para encontrar os restos mortais.
A decisão do juiz atende um pedido da defesa da esposa e da filha de Cleber da acusação de participação neste crime. A mulher, Roselaine Tavares Gonçalves, de 43 anos, está presa, em Corumbá. A filha, de 20 anos, foi colocada em liberdade, depois que laudo psiquiátrico diagnosticou a jovem como deficiente intelectual.

O argumento dos advogados para justificar o pedido é de que Cleber diz que agiu sozinho. Também foi solicitado, e autorizado pelo magistrado, um novo exame com luminol no imóvel onde aconteceu o crime, para determinar em qual cômodo aconteceu o homicídio.

Os advogados, Dhyego Fernandes Alfonso e José Vinicius Teixeira de Andrade, que representam mãe e filha, solicitaram ainda dados telemáticos, dos telefones de Cleber, Roselaine e da filha, para identificar os locais em que eles estariam no momento do crime.

A reconstituição ainda não foi marcada. A promotora do caso, Luciana Amaral, apresentou as perguntas a serem respondidas na reprodução, mas a defesa das acusadas ainda não. Somente depois, o procedimento será agendado.

G1MS

social aqui