15 de Outubro de 2021 | 18:33
noticiasdiariodoms@gmail.com
-->

Warning: getimagesize(/home/diaridoms/public_html/fotos/noticias/13133_0.jpg) [function.getimagesize]: failed to open stream: No such file or directory in /home/diariodoms/public_html/inc.exibe.php on line 49
Política
Noticia de: 11 de Agosto de 2021 - 09:54
Fonte A - A+

Veja como os deputados federais de MS votaram na sessão que rejeitou a PEC do voto impresso

Quatro votaram contra e quatro a favor.

A Câmara dos Deputados decidiu rejeitar e arquivar a proposta de emenda à Constituição (PEC) que propunha o voto impresso em eleições, plebiscitos e referendos. A votação aconteceu na noite de terça-feira (10).

Veja abaixo como votou cada deputado sul-mato-grossense:
Beto Pereira (PSDB) – NÃO
Bia Cavassa (PSDB) – SIM
Dagoberto Nogueira (PDT) – NÃO
Dr. Luiz Ovando (PSL) – SIM
Fábio Trad (PSD) – NÃO
Loester Trutis (PSL) – SIM
Rose Modesto (PSDB) – SIM
Vander Loubet (PT) – NÃO
Para ser aprovada, a PEC precisava de, no mínimo, 308 votos. No entanto, o texto elaborado pela deputada Bia Kicis (PSL-DF) teve o apoio de apenas 229 deputados. Outros 218 deputados votaram contra a PEC, e um parlamentar se absteve. Ao todo, 448 votos foram computados.

A maioria dos partidos com representação na Câmara dos Deputados orientou pela rejeição da PEC e três para o voto a favor. Mas duas deputadas de Mato Grosso do Sul não seguiram a orientação, Bia Cavassa e Rose Modesto, ambas do PSDB, que votaram a favor apesar de o partido ter orientado para o voto contrário.

Seguiram a orientação dos partidos: Beto Pereira (PSDB), Dagoberto Nogueira (PDT), Fábio Trad (PSD) e Vander Loubet (PT), pelo “Não” a proposta e Dr. Luiz Ovando (PSL) e Loester Trutis (PSL) pelo “Sim”.


Com a decisão do texto será arquivado, e o formato atual de votação e apuração fica mantido nas eleições de 2022.

O projeto propunha a inclusão de um parágrafo na Constituição para definir a obrigatoriedade da expedição de cédulas físicas conferidas pelo eleitor nos processos de votação das eleições, dos plebiscitos e referendos.

G1MS

social aqui