15 de Abril de 2021 | 01:24
noticiasdiariodoms@gmail.com
-->

Warning: getimagesize(/home/diaridoms/public_html/fotos/noticias/12404_0.jpg) [function.getimagesize]: failed to open stream: No such file or directory in /home/diariodoms/public_html/inc.exibe.php on line 49
Saúde
Noticia de: 05 de Março de 2021 - 08:55
Fonte A - A+

Secretário de Saúde cobra municípios,"Vacinas tem que estar no braço, não na geladeira"

Além de cobrar empenho de prefeitos, secretário pede por medidas mais restritivas para conter casos

Geraldo Resende - Bruno Henrique

No atual momento o Mato Grosso do Sul registra o recebimento de 286.320 doses de vacinas contra Covid-19 de acordo com o Vacinômetro atualizado desta semana.  

Deste montante o estado aplicou 177.389 doses das vacinas, registrando dessa forma um percentual de 2% da população total do MS imunizada, isto é, que recebeu as duas doses do imunizante.  

Últimas Notícias 

A atualização da ferramenta aponta o andamento das fases de vacinação de cada município, e conforme o dispositivo aponta, cinco cidades estão abaixo de 50% da imunização de imunização da primeira dose dos grupos prioritários, assim como da segunda dose, são eles; Terenos com 40,69%, Coronel Sapucaia 48,76%, Dourados 49,00%, Guia Lopes da Laguna 49,17 e Corguinho com 49,48%.  

O secretário de Saúde de Estado, Geraldo Resende, ressaltou que os governantes de cada município devem se empenhar para vacinar sua população, com responsabilidade e rapidez, conforme estes recebem as doses enviadas pelo Governo Federal.  

"Nós temos focar nas remessas recebidas e fazer a vacina em toda a população o mais rápido possível até acabar. Vacina tem que estar no braço de cada cidadão do grupo de risco, não na geladeira", pontuou o secretário do estado.  

Quando questionado sobre o número no aumento de casos no Estado, Resende reforçou que os casos vão continuar aumentando se a população não colaborar, e os secretários não adotarem ao programa Prosseguir.

"Nós temos uma das maiores taxas de óbito do país. Por que a população não tem seguido as medidas de biossegurança, os gestores seguem as pressões da população, dos municípios, e as regras que deveriam ser adotadas não são adotadas e o resultado é isso. Um número muito grande de novos caos e a falta de leitos que já existem em alguns municípios, estou orientando os secretários a adotarem as medidas do Prosseguir". finalizou o secretário.


Com informações correiodoestado

social aqui