28 de Outubro de 2020 | 19:57
noticiasdiariodoms@gmail.com
-->

Warning: getimagesize(/home/diaridoms/public_html/fotos/noticias/11689_0.jpg) [function.getimagesize]: failed to open stream: No such file or directory in /home/diariodoms/public_html/inc.exibe.php on line 49
Geral
Noticia de: 18 de Setembro de 2020 - 10:13
Fonte A - A+

Com rio Paraguai com menores níveis de água da história, barco que levaria sertanejo ao Pantanal encalha

Dono de embarcação disse que desde que começou a trabalhar com turismo, em Corumbá, não tinha visto um cenário tão crítico.

A situação do rio Paraguai, no Pantanal sul-mato-grossense é cada vez mais crítica. O nível de água está muito baixo e na última medição, feita quinta-feira (17), estava em 0,27 centímetros, enquanto no mesmo período do ano passado, marcava 3 metros.

Um exemplo das consequências do baixo nível de água é o que aconteceu com a embarcação que levaria o cantor Eduardo Costa e outras pessoas para um passeio pelo Pantanal de Mato Grosso do Sul. "Estou em Corumbá para gravar o DVD Eduardo Costa no Pantanal. Infelizmente o barco que eu ia gravar teve um problema. Ele encalhou, infelizmente", disse o sertanejo nas redes sociais.

O passeio começaria na quinta-feira, mas o barco encalhou à tarde, logo após o abastecimento, possivelmente em um banco de areia, em um trecho onde há também muitas pedras, segundo quem navega na região.

O dono da embarcação, Luís Roberto Barreto, disse que nunca tinha visto um cenário como este no rio, em 30 anos de trabalho com turismo na região.

Um empurrador e outros dois barcos tentaram desencalhar a embarcação maior. O trabalho deve continuar hoje.

O barco encalhado tem três pavimentos, 10 suítes, sala de leitura, academia de ginástica e tem capacidade para 15 tripulantes e 20 passageiros.

Segundo dados do Serviço Geológico do Brasil (CPRM), que monitora o nível do rio há 26 anos, o rio Paraguai está no menor nível da história. A falta de chuva contribui para este cenário. Sem a cheia, os campos pantaneiros não alagaram e a vegetação aquática secou e virou combustível para as chamas.

O Pantanal não vê uma se seca assim, tão severa há mais de 50 anos, segundo os pesquisadores da Embrapa Pantanal. E para quem navega por aqui a atenção precisa ser redobrada para não acabar batendo em bacos de areia e pedras pelo caminho.



Com informações G1MS

social aqui