28 de Setembro de 2020 | 08:07
noticiasdiariodoms@gmail.com
-->

Warning: getimagesize(/home/diaridoms/public_html/fotos/noticias/10609_0.jpg) [function.getimagesize]: failed to open stream: No such file or directory in /home/diariodoms/public_html/inc.exibe.php on line 49
Rural
Noticia de: 23 de Janeiro de 2020 - 16:00
Fonte A - A+

Embrapa aponta risco de geada e prejuízos ao milho safrinha no MS

Chances de o fenômeno ocorrer pelo menos uma vez no sul do Estado são de 96%

O sul do Mato Grosso do Sul corre alto risco de enfrentar geada durante junho, segundo informações do sistema de previsão de geadas da Embrapa Agropecuária Oeste. O período coincide com os momentos finais de desenvolvido do grão, quando a lavoura se torna extremamente sensível a baixas temperaturas, podendo levar a perdas significativas no Estado.

De acordo com a Embrapa Agropecuária Oeste, há 96% chances de ocorrer pelo menos uma geada e 74% de probabilidade de que essa geada ocorra em condições de temperatura abaixo de 1ºC.  “Em junho, normalmente o milho ainda se encontra em uma fase sensível de seu desenvolvimento, e a dimensão do prejuízo está associada à intensidade da geada”, observa o pesquisador Danilton Luiz Flumignan, em nota

Segundo o último boletim de acompanhamento de safra da Conab, o Mato Grosso do Sul deve ter uma produtividade 3,1% maior na safrinha de milho desta temporada, com impacto proporcional sobre a produção do Estado, projetada em 9,66 milhões de toneladas.

O Zoneamento Agrícola de Risco Climático aprovado pelo Ministério da Agricultura conselha que cultura seja semeada até 10 de março na região, mas devido à demora no início das chuvas e seus impactos na semeadura da soja, esse plantio deve atrasar.

Diante da situação de risco, Flumignan aconselha o produtor sul-matogrossense a avaliar outras possibilidade de cultura neste ano, como trigo e aveia. “Essas são opções viáveis, desde que fatores como disponibilidade de sementes no mercado e canais de comercialização sejam favoráveis”, explica o pesquisador.

GLOBO RURAL 

social aqui